• Ranulfo Pedreiro

Vestidinho de festa, uma canção desconhecida de Gonzaguinha


Hanna - foto de Antonio Guerreiro

A cantora Hanna morava em Paris, nos idos de 1990, mas vinha esporadicamente ao Brasil. Numa dessas vindas, encontrou Gonzaguinha e lhe pediu uma música. A conversa ficou meio solta, Hanna não tinha certeza se a canção seria feita ou não.

De repente, Hanna recebeu uma ligação do próprio Gonzaguinha oferecendo Vestidinho de Festa. O compositor morreu em um acidente de automóvel aqui no Paraná, saindo de um show em Pato Braco, em 1991, na PR-280.

Por causa da vida na França, Hanna só veio gravar Vestidinho de Festa no disco Nós em Nós (Ipanema Records/2001). Mas o álbum não teve muita repercussão e a música permaneceu praticamente desconhecida.

Agora, em 2021, de volta ao Brasil, a cantora nascida em Maceió lançou uma série de seis videoclipes para divulgar seu trabalho durante a pandemia, que inviabilizou as apresentações ao vivo.

Além de Vestidinho de Festa, os outros clipes lançados pela cantora fazem parte de seu disco mais recente, O amor é bossa nova volume 2, dedicado a João Gilberto.

Curioso mesmo é que nem a família - os herdeiros - de Gonzaguinha conheciam a música, que chegou em fevereiro às plataformas digitais, embora a gravação contasse com todas as formalidades legais.

Percebe-se em Vestidinho de Festa várias características da obra de Gonzaguinha, especialmente uma angústia expressa claramente no ritmo das palavras, como se fosse um desabafo doloroso e necessário, pois já não há como represar os sentimentos, é preciso libertá-los.


Os clipes lançados por Hanna têm produção e direção de Rafael Ferreto.

“Eu morava em Paris mas vinha ao Brasil de vez em quando...em uma dessas vindas, me encontrei com Gonzaguinha, pedi uma música e, por acaso, dei meu telefone. De surpresa, recebi sua ligação dizendo que estava pronta! Eu não tinha como gravar na época também porque havia uma crise nas gravadoras, então guardei a música, continuei em Paris, fazendo meus shows. Quando voltei pra cá, em 1999, gravei sozinha, em estúdio, com os arranjos do Mario Bastos...a Ipanema Records se interessou, buscou todas as autorizações e decidiu lançar, mas não divulguei. Acabei guardando o CD comigo e somente agora estou colocando nas plataformas digitais”.

A sequência de vídeos lançada por Hanna inclui Retrato em Branco e Preto (lançado em janeiro), Lígia e Pra quê discutir com madame (lançados em fevereiro), Vestidinho de Festa (lançado em 6 de março), Menino do Rio (lançado em 8 de março) e Triste (lançado em 30 de março).












43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo